Rodrigo Travitzki, 07/10/2008

Recebi um email falando sobre esse assunto, fui dar uma conferida e vi que ele está no Yahoo!

Pelo que pude ver, a resposta escolhida está correta no geral.

Uma Nota importante sobre os ataques cardíacos:
Fiquem sabendo que há outros sintomas de ataques cardíacos, além da dor no braço esquerdo. Devem também prestar atenção a uma dor intensa no queixo, assim como as náuseas e os suores abundantes, pois estes também são sintomas vulgares.

Pode-se não sentir nunca uma primeira dor no peito, durante um ataque cardíaco. 60% das pessoas que tiveram um ataque cardíaco enquanto dormiam, já não se levantaram. Mas a dor no peito, pode acordá-lo dum sono profundo. Se assim for, dissolva imediatamente duas Aspirinas na boca e engula-as com um bocadinho de água.

Ligue para o 192 e diga “ataque cardíaco” e que já tomou 2 Aspirinas.
Sente-se numa cadeira ou sofá e espere pelo 192.

Alguém sabe se Isso tem alguma veracidade?

Melhor resposta – Escolhida pelo autor da pergunta

A Aspirina (ácido acetil salicílico) ou AAS, na dosagem de 100 a 325mg diários tem ação antiagregante plaquetária, que ajuda na prevenção do infarto. Essa dose é receitada para pacientes com risco de sofrerem infarto ou que sofreram cirurgia cardíaca. Seus efeitos na prevenção do infarto estão comprovados. No caso da pessoa estiver infartando e tomar a aspirina, é uma medida que pode prolongar seu tempo de vida até que chegue ajuda especializada. Como antiagregante plaquetário, o AAS ajuda a dissolver as placas que entopem as artérias, impedindo o sangue de circular. Mas atenção: o AAS tem essa indicação na dose de 100 a 325mg. A dose de 500mg que equivale a Aspirina adulto, não tem essa função.

Alguns detalhes podem ser controversos, como a dosagem do efeito anticoagulante. No GUIA DE PREVENCION SECUNDARIA DEL INFARTO DE MIOCARDIO EN ATENCION PRIMARIA é indicado um tratamento pós ataque cardíaco com doses entre 75 e 150 mg/dia. Mas no final, para o cidadão comum, a conclusão é a mesma.

Aspirina pode servir para esperar o médico se alguém tiver um ataque, mas não deve ser usada como forma de prevenir infarto, pois não tem a dosagem certa. E muitas vezes o que diferencia o remédio do veneno é apenas a dosagem.

Além disto, vale aqui uma observação importante. Numa breve pesquisa encontramos muitos artigos falando dos benefícios da aspirina para asma, câncer de intestino, ovário, cólon, mama, mas pouco se fala dos possíveis malefícios. Sem essa ressalva as pessoas vão passar a tomar aspirinas entre cada refeição, para prevenir um pouquinho de tudo. E as empresas farmacêuticas vão ficar ainda mais saudáveis, claro.

Vejamos então um pouquinho do outro lado:

Médicos alertam para efeitos colaterais da aspirina

Tomar aspirina para evitar problemas cardíacos pode ser prejudicial para pessoas com pouco risco de desenvolver problemas no coração. A conclusão é de estudo de pesquisadores do hospital Royal Hallamshire, em Sheffield, na Inglaterra.

Segundo a pesquisa, baseada na análise de 48 mil pacientes, a aspirina reduz o risco de enfarte em cerca de 30%.
Mas o medicamento também aumenta em 70% as complicações decorrentes de hemorragias, concluíram os cientistas.”

E há também estudos sugerindo efeitos nocivos do uso abusivo de analgésicos, como aspirina ou paracetamol:

Analgésicos podem causar problemas nos rins

Analgésicos podem trazer riscos à gravidez

  • http://paradoxo42.blogspot.com/ Rodrigo Lopes

    Obrigado pela informação xará.